Finalmemte, após muita pressão, protestos e mobilização do setor, o governo anunciou que o país suspenderá as licenças de importação para o leite do Uruguai. A promessa  do ministro da Agricultura, Blairo Maggi é de rever o quadro somente depois de concluída investigação capaz de garantir a origem do produto, já que produtores e indúsrias apontam indícios de triangulação, ou seja, o país vizinho estaria comprendo de outros mercado para revender ao Brasil. "A medida é um alento, mas vamos ver se vai realmente acontecer, porque de promessa os agricultores estão cheios", desabafa o deputado Heitor Schuch, integrante a Subcomissão do Leite da Câmara que vinha negociando ações de apoio junto aos ministérios.

 

Para o parlamentar, no entanto, só impedir as importações não resolve. "A crise é gigantesca, sem precedentes. Cessar as compras dos uruguaios ameniza, mas para efeito imediato é necessário que o govenro garanta a compra de pelo menos 50 mil toneladas de leite em pó e de 400 milhões de litros UHT, além da liberação de linha de crédito aos produtores", cobra.

 

Estimativa da Fetag aponta que mais de 2.500 famílias gaúchas já venderam o plantel e estão abandonando a atividade. "Como se manter trabalhando se o preço do litro está abaixo de R$ 0,75 enquanto o custo de produção é estimado em R$ 1,150 o litro?", questiona Schuch.